03 junho 2012

Óleo de coco... e ai?

Eu admito... Sou gordinha (gordinha, pra ser simpática, né?! Porque já sou peso médio na classificação do UFC.) e vim com todos os opcionais de fábrica: culote, pochete, bisnaga, bochecha...

Além da genética não favorecer muito, eu também não me ajudo e sempre estou com a fome de 10 mendigos. Com isso, já dá pra imaginar que eu não sou muito fã de dietas e exercícios, gosto mesmo é de milagre e fórmula mágica.

A última que fiquei sabendo foi o tal óleo de coco e logo fui me informar a respeito (não como devia, no médico, mas na internet! Shame on me!) e como lí mais coisas positivas do que negativas resolví testar. 
Encontei 2 versões, uma em cápsula e outra em óleo mesmo, que parece mais uma pastinha transparente. Escolhi cápsulas pela praticidade e pelo medo de não me adaptar bem ao sabor do óleo de coco na comida.



Comprei, numa lojinha de suplementos alimentares, uma marca qualquer que, além do coco, tem óleo de cártamo junto (o vendedor me disse que é ótimo também para enxugar as gorduras!). Paguei R$40,00 por 60 cápsulas.


O indicado é consumir 2 cápsulas antes do almoço e 2 antes do jantar, mas eu sempre esqueço de tomar a noite então fico só com as do almoço mesmo.
Estou tomando há um mês e gostando bastante, pois senti que ele dá uma segurada no meu apetite e faz meu intestino funcionar que é uma beleza!   =)  Isso é um ponto muito positivo na minha vida!

Não sentí os efeitos de uma lipo na minha silhueta, nem de um mês de spa ou de uma virose de 7 dias, mas essas pequenas diferenças já estão de bom tamanho pra mim! Na verdade, acredito que se ele for usado como um complemento da dieta, aliado a exercícios físicos e a uma alimentação balanceada, aí sim, seus efeitos serão mil vezes melhor.

Hoje em dia, você acha óleo de coco para vender em qualquer farmácia, em lojas de produtos naturais e de suplementos e na internet. Os preços variam de R$35,00 até R$90,00!

Uma dica, já que vai comprar, procura pelo produto extravirgem (afinal, não queremos consumir nenhum outro óleo desconhecido ou com adição de outro componente que não favoreça o emagrecimento.)

E aí, alguém já usou o óleo de coco também?



PS: Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico e leia a bula!  ;)



Meu nome é Carol Böck e tenho 25 anos! Trabalho como editora de fotografia e, como toda mulher, adoooooro uma liquidação, um descontinho, um precinho bacana e um babado! Por isso, resolvi criar esse blog, para dar algumas diquinhas mara dos baphos que eu vou encontrando por aí! =P

2 comentários:

  1. Oi, Carol! Respondi sobre o óleo nos comments do Mulher Alface, mas vou reproduzir aqui tbm:

    Eu gosto do sabor, tem um gostinho de coco mesmo. Mas é uma coisa muito particular. A textura deve ser o maior problema porque ele precisa estar a 27 graus (eu acho) pra ficar líquido, então se você coloca numa salada de frutas ou numa vitamina mais gelada, ele fica igual a uma parafina = / A recomendação então seria tomar na colherada antes das refeições. Minha mãe e outras amigas já tomaram e dizem que é intragável. No começo até vai, mas elas acabam enjoando do sabor ou da textura. O pote com 300ml custou uns 60 reais. Comprar pra deixar encostado não dá, né. Quanto às propriedades emagrecedoras, não posso falar porque não tomo com regularidade. O que tenho ouvido da sra minha mãe que tem tomado as cápsulas é que elas não têm o mesmo efeito do óleo... Que o óleo seria melhor (apesar das mais de 100kcal em cada colher de sopa). Mas também não sei se ela toma as cápsulas direitinho...
    Quer dizer... funciona? Não sei! Vou esperar o seu retorno para descobrir = D

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi, Carol.
    Amo coco, amo tudo de coco, sempre comi coco a vida inteira (tenho 42 anos) e minha saúde é pra lá de excelente, Graças a Deus! Ponto.
    Mas quase morri de tanto passar mal com esse óleo (comprei o mais famoso, em loja confiável, na validade, etc). Além de ter um gosto longe de leite de coco e a consistência de vaselina cremosa, o troço queima. A "posologia" era de 4 colh. sopa/dia. Comecei de leve, com uma de chá antes do almoço e jantar. Já me senti esquisita na primeira colherada. Mas, é aquilo, né? Comprei, custou caro, EMAGRECE - e nem gorda eu sou "/ - mas a propaganda de que acabava com a gordura abdominal era tão forte que comprei, e "vamo que vamo". Insisti por mais dois dias e foram dois dias no inferno abraçando o capeta. Dor intensa no estômago, azia, queimação desde a boca até o umbigo, suores, calafrios, dores de barriga, com aqueles lampejos de cólica intestinal lancinantes e, claro, diarréia. Só não vomitei porque sou ruim mesmo. Joguei fora o vidro inteiro (meio litro) porque não queria que NINGUÉM mais sentisse o que senti. E olha que eu NUNCA tive qualquer problema digestivo na vida e sempre AMEI comer coco, como disse no início.
    Conversando com uma blogueira que teve sintomas parecidos, ela ainda me disse que um mês depois fez exames de sangue e uma de suas taxas (que não me lembro, mas acho que era de gordura no sangue) estava coisa de 3 vezes maior. Que o médico dela quase a matou por ter tomado esse óleo.
    Resumo do baile funk: NÃO RECOMENDO!
    Beijos,
    Nikita.

    ResponderExcluir